Corte de mais 17 milhões impacta manutenção de atividades essenciais da UnB

A Reitoria da Universidade de Brasília informou, por meio de nota, nesta segunda-feira (5) que os cortes orçamentários no Ministério da Educação, realizados no dia 28 de novembro, retiraram mais de 17 milhões de reais da UnB.

A nota afirma que a UnB não possui recursos para realizar pagamentos em dezembro. “Não há recursos para pagar auxílio estudantil, contratos do Restaurante Universitário, da segurança, de manutenção, de limpeza e todas as demais despesas previstas para o mês, incluindo projetos de pesquisadores”.

Ainda segundo o informe da Reitoria, a “UnB repudia veementemente essa situação e a herança calamitosa na Educação, Ciência e Tecnologia que o governo federal parece ter decidido deixar para o seu sucessor, em janeiro de 2023. A medida desconsidera, mais uma vez, que os principais atingidos pelos ataques às instituições públicas são as parcelas mais vulneráveis da sociedade brasileira. No caso das universidades, os mais afetados são os estudantes vulneráveis socioeconomicamente e os trabalhadores assalariados das empresas terceirizadas”.

>> Governo Bolsonaro bloqueia mais de R$ 244 milhões do Ensino Superior <<

“Essa é uma política do governo federal para favorecer as instituições privatistas da educação, que querem se legitimar para transformar a educação em mercadoria, nossa luta é para defender a Universidade Pública, gratuita, laica de qualidade para todos e todas”, destacou a presidenta da ADUnB-S.Sind., Eliene Novaes.

Bolsonaro, devolve a verba

O Diretório Central dos Estudantes da UnB - Honestino Guimarães convocou para a quinta-feira (8), às 16 horas, uma manifestação contra os cortes. A mobilização acontece em frente ao Ministério da Educação na Esplanada dos Ministérios. 

Na convocação, o DCE/UnB informa que os cortes impactam a manutenção da Universidade. “Na prática isso significa que não há dinheiro disponível para o pagamento de bolsas, do salário de terceirizados e contas, como de água e luz, em pleno fechamento de mês e acumulado a outros contingenciamentos”.

“É fundamental que a luta contra os cortes na UnB e nas Instituições de Ensino Superior, seja uma luta de estudantes, docentes e técnicos, pois impactará a garantia do direito à educação que nós defendemos'', reafirma a presidenta da ADUnB-S. Sind. Eliene Novaes.

Publicado em 6 de dezembro de 2022

 

Compartilhe: